Onde nenhuma sinalização chegou antes

Data

27/06/2017

Uma das séries mais populares de ficção científica na TV nos anos 60 foi clássico Star Trek, que se consolidou como um dos programas de maior influência da época ao explorar temas como espaço, viagem no tempo e diferentes dimensões, ao mesmo tempo em que contava com um elenco interracial e explorava tópicos como feminismo, racismo e militarismo. Desde então, a série, que ainda permanece relevante nos dias atuais, se transformou em uma grande franquia por meio de vários spinoffs, convenções e produtos. A USS Entreprise, nave tripulada pelos personagens de Star Trek, era o orgulho da sua frota, que tinha como missão explorar novos mundos e descobrir novas civilizações. Para ir onde nenhum homem foi antes!

Então, o que falta nessa nave, que é uma verdadeira obra-prima?

Wayfinding apropriado. A única sinalização que ela contém é na forma de placas com textos que indicam quartos ou advertências. Claro que esta é uma parte vital do wayfinding design e não pode ser negligenciada. No entanto, como você poderia circular por uma nave desconhecida quando a única coisa que você tem para orientar-se são as placas de porta? E se você estivesse em uma situação de emergência e tivesse que encontrar uma rota de saída? Alguém poderia argumentar que a tripulação desse nave com certeza teria sido rigorosamente treinada e saberia tão bem sobre situações de emergência que a sinalização seria desnecessária. Entretanto, é demais esperar que alguém memorize todos os cantos de uma enorme nave, por isso, questões como essa continuam a ser um problema. Além disso, existem vários momentos da série em que visitantes a bordo da nave são deixados livres para circular pelos espaços. Como é possível a correta orientação de passageiros que nunca haviam embarcado antes em uma nave com dezenas de decks?

Claro, isso pode ser visto como um mero detalhe, já que se refere a um antigo programa de televisão com restrições estéticas e de orçamento. O Wayfinding design começou a ser utilizado na mesma década que Star Trek foi lançado, mas ainda não era um termo comum a todos. Entretanto, isso serve como um bom exemplo de como o wayfinding poderia adicionar um aspecto de realidade a um mundo fictício, e nos ajuda a imaginar o quanto isso seria importante para os passageiros em qualquer espaçonave.  

BÉLGICA